Artigos, Mensagens YEHUÁ

A Medicina das Raízes: A Estabilidade vem de dentro

“Num terreno instável, como se manter estável?

A parte mais estável de um terreno instável são a raízes. 

Quanto mais profundas forem as raízes para dentro de si, mais estável será sua presença e energia em qualquer terreno para onde você estiver destinado a estar.

Quanto mais profundo nos trabalhamos, aprendendo a reconhecer e harmonizar nossas emoções e pensamentos, mais seguimos enraizando e curando aspectos nossos desta e de outras existências.

Seguimos separando o que serve para nossa caminhada evolutiva do que não serve, reconhecendo aquilo que é nosso daquilo que é do outro. Vamos resolvendo pendências do passado gravadas na memória das nossas raízes, tendo mais clareza das responsabilidades e compromissos de nossa alma, e nos percebendo cada vez mais estáveis na roda da vida.

Essa profundidade requer que identifiquemos nossos limites, para que não nos aprofundemos demais em terrenos que não nos pertencem e não nos dizem respeito, mantendo o foco apenas naquilo que nos compete.

Vamos adiante, aprofundando até onde é nosso compromisso, cuja compreensão vem passo-a-passo, entendendo o suficiente para trabalharmos no momento, no agora.

Nesse fluxo, somos atraídos para lugares e terras instáveis geralmente porque assim também estamos e nos sentimos internamente. Pela lei do semelhante que atrai o semelhante, muitas vezes é através de um terreno instável que nos é dada a oportunidade de nos libertamos da instabilidade que habita em nós.

Somos obrigados a ver a verdade nua e crua nesse tipo de território, que constantemente nos relembra aquilo que ainda precisamos trabalhar, pelo tempo que for necessário, até o momento que como as raízes seremos.

Através dessa jornada de verdade e enraizamento, é possível liberarmos e nos libertarmos de instabilidades emocionais e mentais, derivadas de traumas, limitações, crenças e padrões distorcidos sobre nós e nossa vida, sobre a forma de vermos e nos relacionarmos com aqueles que amamos e com o mundo a nossa volta. 

Aprendemos que já não precisamos guardar nossas limitações e defeitos em caixinhas e gavetas fechadas, que não necessitamos pintá-los como algo que não são porque não os tememos mais, perante o nosso ou o olhar do outro. Aprofundamos, crescemos e nos tornamos mais fortes através deles.

Aprendemos que o que importa é o sentimento de pertencer. Damos um espaço no nosso coração a tudo o que precisa ser reconhecido e liberado, para nos reconciliarmos com nossas emoções: seja uma alegria genuína, seja uma raiva reprimida. Assim vamos nos reconciliando conosco. 

Já não nos preocupamos – a pré-ocupação da mente – porque aprendemos a reconhecer e perceber emoções e pensamentos como um termômetro, ao invés de algo a ser temido, negado, reprimido ou ignorado nos recantos esquecidos de nós. 

Passamos a usar esse termômetro para nos harmonizarmos toda vez que a temperatura subir além do normal. Então, voltamos novamente às raízes, onde a temperatura é amena, onde a linguagem falada só pode ser sentida e onde a energia é vital.  

Enraizando profundamente somos capazes de nos tornarmos estáveis, encontrando por nós mesmos essa zona de estabilidade e dignidade, indicada na prática pelo resultado dos nossos pensamentos e emoções na rotina, a cada passo, a cada vez que ligamos o nosso observador interior. 

A essa altura, somos capazes de nos tornarmos estáveis em qualquer terreno instável, porque mapeamos e aprendemos a transformar a instabilidade em estabilidade, o desequilíbrio em equilíbrio – à semelhança com que a terra é capaz de transformar morte em adubo para a vida. 

Enquanto houverem tempestades na superfície, nossas raízes permanecem intactas dentro da terra, inabaláveis e sãs para sustentar as mudanças que ocorrem na mente e no emocional. 

Toda vez que houver o caos dos pensamentos ou das emoções, podemos voltar às raízes do nosso Ser, um porto seguro, nos regenerando e nos vitalizando sempre que preciso for, até que a tempestade interior passe com os ventos da autotransformação, da autorreconciliação e do auto-amor. Até que os raios de sol venham nos visitar novamente, trazendo a clareza e o entendimento para mais um passo com consciência na jornada.

Nossa existência, assim como a respiração que pulsa em toda vida dentro e fora de nós, é feita de momentos de retração e expansão, de mortes e renascimentos, de dias de tempestade e dias de sol. É essa respiração divina, de vida, que contém o mistério da criação. Ele habita em nós e nos impulsiona a evoluirmos constantemente.

Um dia, todos passamos pelo caminho das raízes, para aprendermos com a sua medicina ancestral e o seu vasto reino. Com elas, aprendemos a ouvir este pulsar vital dentro de nós, para enraizarmos também. Em dias tempestuosos, uma árvore com raízes profundas será mais forte.”

Mensagem de ©Yehuá e uma Anciã das Chaves Ancestrais

Por Luciane Strähuber – Educadora da Terapêutica Integrada

Conheça os Purificadores Alquímicos e Terapêuticos Kaeté – Linha Lumia: Resgate suas Raízes!

Deixe um comentário com amor!

Faça o login usando um destes métodos para comentar:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Saiba como seus dados em comentários são processados.